As páginas de Ian Curtis

SoThisIsPermanence_p26

O livro “So This is Permanence” foi publicado em 2014 pela editora Faber Social. Ainda sem tradução em português, a obra reúne fotos de letras escritas a mão, trechos, prosa, anotações e outros escritos achados nos cadernos de Ian Curtis, vocalista da banda Joy Division que cometeu suicídio em 1980. A seleção foi feita por sua esposa Deborah Curtis com a ajuda do editor Jon Savage, autor “England’s Dreaming”, que conta a história da banda punk Sex Pistols.

Aos 23 anos, antes de acabar com a própria vida, Curtis e banda fariam a primeira turnê pelos Estados Unidos. A história mórbida que acompanhou a vida do frontman depressivo e epilético do Joy Division acabou por lhe dar uma aura cult nas décadas seguintes. O jovem – então um magrelo que usava delineador e andava pela cidade com sacolas de plástico cheias de poesias (mesmo após certo sucesso da banda) – virou mais um ídolo na ala dos roqueiros problemáticos.

Após a morte do cantor, Deborah guardou o material encontrado, mas não chegou a ler nada. Só voltou a mexer nos papéis quando os antigos companheiros de banda de Curtis – que formaram o New Order – disseram-lhe que estavam procurando as partes exatas de letras que tinham ensaiado na época do Joy Division, mas que não tinham sido devidamente gravadas. Porém, estes trechos não estavam nas anotações arquivadas por Deborah.

sothisispermanence_3d_9781452138459_350

As letras de Curtis eram muito pessoais e podem, até mesmo, mostrar um pouco do que ele sentia na fase final de sua curta vida. A faixa “Love Will Tear Us Apart” – uma das mais tristes e frias da história – ganhou interpretações de críticos e fãs. Ela seria como a solução derradeira após a confusão sentimental em que Ian entrou, precisando escolher entre a sua esposa (e filha) e a amante: a jornalista e promotora belga Annik Honoré. “Por que esse quarto é tão gelado?”, ele canta. “Você se virou de lado. Será que só chego na hora errada? Nosso respeito se acabou”.

Fascinado por literatura, Curtis deixou muitas alusões nas letras. Existem referências claras em títulos: “Atrocity Exhibition” é uma coleção de novelas de JG Ballard, “Colony” (In the Penal Colony), um conto de Franz Kafka e “Dead Souls”, um romance de Nikolai Gogol. As capas dos livros que Ian adorava ilustram a parte final de “So This is Permanence”.

Este livro não foi lançado no Brasil, mas para os fãs que desejam mergulhar mais fundo na obra de Ian Curtis, um título disponível por aqui é “Tocando a Distancia, Ian Curtis e Joy Division”. Há também o filme de 2007 chamado “Control”, ficção que retrata os momentos finais do vocalista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s